A (in)visibilidade de Negros(as) na Produção de Conhecimento em Programas de Pós-Graduação da UFPB

Alba Lígia Almeida Silva, Mirian de Albuquerque Aquino

Resumo


Analisa a produção de conhecimento de pesquisadores (as) na memória da ciência da Universidade Federal da Paraíba, detendo o olhar sobre programas de pós-graduação localizados no campus I visando as teses, as dissertações, as monografias, os relatórios, os artigos, os ensaios e demais documentos produzidos por pesquisadores (as) dessa Instituição. Há uma suspeita de que os trabalhos já publicados priorizam mais os temas voltados para construtos universais, não se identificando uma produção significativa relacionada a temas de interesses da população negra. Essa discriminação contribui para aumentar a invisibilidade de afrodescendentes na sociedade contemporânea. O modo como se produz conhecimento nas universidades públicas e para quem se produz também é uma tarefa essencial que precisa ser assumida por pesquisadores (as) da Ciência da Informação e da Educação. Essa responsabilidade ét(n)ico-social visa não apenas comunicar e disseminar essa produção de conhecimento, mas se voltar também para temas que resultem uma produção de conhecimento que permita a intervenção para mudar a situação histórico-estrutural em que vivem afrodescendentes no Brasil. Conclui-se que a memória a ciência dessa Instituição necessita ser adequadamente disseminada na comunidade acadêmica e no público em geral, a fim de possam conhecer o que os (as) pesquisadores (as) fazem dentro e fora dos laboratórios. Uma análise preliminar mostra que excluir alguns temas de sua memória da ciência, impor o silêncio, interditar a voz do outro, e impedir o outro de dizer de si mesmo, contribui para a (in)visibilidade de afrodescendentes na sociedade brasileira.

Palavras-chave


Memória da Ciência. Africanos. Afrodescendente. Produção de Conhecimento. Educação. (In)visibilidade

Texto completo:

PDF



Informação & Sociedade: Estudos - ISSN: 1809-4783