A biblioteca do século XXI: novos paradigmas ou meras expectativas?

Maria das Graças Targino

Resumo


Objetiva-se discutir os paradigmas norteadores da biblioteca do século XXI e, por conseguinte, da ciência da informação (CI). A priori, consideram-se três pontos: (1) a biblioteca como instituição fundamentalmente social e, portanto, sujeita às mudanças que afetam a sociedade; (2) a mobilidade irreversível dos paradigmas, em qualquer área de atuação; (3) a ação profissional e governamental como elemento determinante da atuação das instituições. Como inevitável, ao atravessar as várias fases históricas, a biblioteca assimila a realidade dos diferentes períodos e assume posturas paradigmáticas distintas. De início, prevalece o modelo centrado na disponibilidade, que prioriza grandes coleções e edifícios majestosos, perfazendo o just in case: o leitor tem a seu dispor a informação demandada, graças ao browsing real. Paulatinamente, consolida-se o modelo centrado na acessibilidade. É a prevalência do just in time, graças ao intercâmbio com as demais unidades de informação conectadas em rede e ao browsing virtual. A expansão das tecnologias propicia o advento da biblioteca virtual (BV) e a emergência do paradigma informacional ou digital. Porém, insiste-se na idéia de que profissionais e governantes são os responsáveis, por excelência, pela vigência dos paradigmas alusivos às bibliotecas. E mais, eles não são per se excludentes, face à diversificação sempre existente de culturas, países e povos, o que significa dizer que BV subsistem ao lado de bibliotecas tradicionais, em pleno século XXI.

Palavras-chave


Bibliotecas: paradigmas e modelos. Ciência da informação: paradigmas e modelos. Ciência da Informação

Texto completo:

PDF



Informação & Sociedade: Estudos - ISSN: 1809-4783